Sistema de Gestão: a qualidade é sustentável?

Tempo de leitura: 4 minutos

“Em um exemplo que ilustra a atenção exaustiva da Apple aos detalhes, Lashinsky relata como a sala de embalamento da Apple em um momento foi preenchida com centenas, sim centenas, de protótipos da caixa do iPod para que a Apple pudesse determinar qual caixa  para evocar a resposta emocional que a Apple estava buscando para a experiência de abrir um produto pela primeira vez.”

Traduzido do artigo “Inside Apple's secret packaging room”, de Yoni Heisler, em sua coluna iOnApple do site Networkworld.

É engraçado pensar como algumas vezes a qualidade e a sustentabilidade caminham em sentidos opostos. Empresas como a Apple prezam tanto pela qualidade de seus produtos que a experiência de abrir uma embalagem é trabalhada exaustivamente na busca da perfeição.

Mas a embalagem não é apenas um invólucro que envolve o produto principal? Em algum momento ela não se tornará apenas mais um resíduo?

Vamos analisar qual o impacto disso em um Sistema de Gestão!

 

CONCEITOS CONFLITANTES

O caso específico da Apple ainda não me é tão gritante, pois suas embalagens se mostram compactas o suficiente para acondicionar os componentes, protegendo-os e aproveitando ao máximo os espaços da caixa.

Porém, percebo que, muitas vezes, há mais embalagem do que produto propriamente dito.

Meu filho ganha muitos brinquedos de presente e eu vejo que, em grande parte deles, a embalagem é exagerada a seu conteúdo. Isto sem falar do “indispensável” papel de presente.

O fato é que as empresas não optam por investir mais dinheiro em embalagens à toa. Assim como a Apple, muitas delas realizam pesquisas e testes para avaliar qual tipo de embalagem é mais atrativa ao consumidor.

Qual brinquedo vende mais? Aquele que está em um simples saco plástico transparente ou aquele que está em uma caixa enorme, com fotos de crianças felizes brincando? E você? Compraria um celular vendido em uma embalagem simples?

Vamos agora ao supermercado. Já percebeu que existem as frutas “comuns” e as frutas que estão embaladas em caixinhas?

A fruta é a mesma; o sabor é o mesmo. Mas o preço da fruta embalada é muito maior, pois a caixinha leva a pessoa a crer que dentro dela há um produto de maior qualidade. E, desta maneira, gera-se um resíduo completamente desnecessário.

É óbvio que o fator psicológico é muito explorado pelas empresas e, sim, uma parte de culpa disso é do próprio consumidor que se deixa levar pelo poder da imagem estampada na embalagem. Porém, eu considero que esta forma de atrair o cliente já não é mais adequada, pois incorre em um conflito entre qualidade e sustentabilidade.

 

TORNAR O SISTEMA INTEGRAL

Muitas empresas possuem certificação ISO 14.001 pelas ações de gestão desenvolvidas internamente, mas seus produtos não são exemplos de cuidado com o meio ambiente. O processo de produção é ambientalmente correto, mas o produto final, não.

Por isso, a interface entre o setor de meio ambiente e o setor de qualidade deve ser constante. Perceba como um setor depende do outro.

O setor de meio ambiente deve ter a sensibilidade para notar que o produto final não é adequado à Política da empresa e deve buscar uma participação maior no processo produtivo. O setor de qualidade, por sua vez, deve buscar esta adequação do produto à Política e ninguém melhor do que um profissional de meio ambiente para analisar a questão sob seu prisma.

Integrar um sistema de gestão não é simplesmente adquirir 3 normas e aplicá-las ao pé da letra. Integrar deve ser entendido como “tornar integral”: transformar o sistema em um só.

A própria palavra “sistema” já denota integração:

“sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes que, conjuntamente, formam um todo unitário com determinado objetivo e efetuam determinada função.”

OLIVEIRA. Sistemas, organizações e métodos: uma abordagem gerencial. 13. ed. São Paulo, 2002, pág. 35. (grifo nosso)

O verdadeiro Sistema de Gestão Integrada é aquele que possui interdependências e seus constituintes não funcionam, ou funcionam mal, independentemente.

Torne seu Sistema de Gestão coerente. Busque maior interface com os outros setores. Evite pensar como um profissional específico de um setor e comece a pensar como um profissional pertencente ao sistema de gestão. Os resultados só tendem a melhorar!

E, seguindo o mesmo raciocínio, torne-se um consumidor consciente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *