Como espantar pombos?

Tempo de leitura: 6 minutos

Você já levou aquela “batizada” de um pombo ao andar na rua? Dá vontade de matar, não é mesmo? Em nosso artigo “Matar pragas é crime ambiental?” nós mostramos que não é preciso nenhum tipo de autorização para eliminar animais considerados como pragas.

Matar pragas é crime ambiental?!?!

Porém, matar um animal pode ser uma medida imediata, mas nem sempre resulta na eliminação do problema. É o caso de pombos.

Por isso, nós vamos te mostrar como espantar pombos de um local de maneira eficaz, sem precisar matá-los.

 

SOBRE OS POMBOS

Os pombos se reproduzem durante todo o ano. Normalmente a fêmea põe 2 ovos que chocam em pouco menos de 3 semanas. Os filhotes são aptos a voar em 1 mês e podem iniciar sua reprodução em apenas 6 meses. Sua expectativa de vida é de 15 anos.

 

O PROBLEMA DOS POMBOS

Os pombos, uma vez já considerados como símbolos de paz e como importantes mensageiros durante períodos de guerra, hoje são vistos como um grande problema urbano.

Podemos citar:

- problemas sociais: sujeira em ambientes públicos, mau cheiro e presença de grande quantidade de animais em áreas urbanas.

- problemas econômicos: as fezes destes animais provocam corrosão em estruturas diversas, comprometendo sua qualidade.

- problemas de saúde: transmissão de diversos tipos de doenças, como Psitacose, Criptococose e Toxoplasmose, dentre outras.

Então, surge a pergunta: como espantar pombos?

 

MATAR RESOLVE?

Uma pesquisa[1] realizada pela Universidade de Basel, na Suíça, concluiu que métodos letais de controle de pombos são totalmente ineficazes na redução a médio e longo prazo do número de pombos (e de praticamente todas as outras espécies de aves selvagens).

Os pesquisadores perceberam que nas áreas onde foram realizadas operações letais de controle, pôde-se notar uma redução inicial de curto prazo mas, em poucas semanas, o número de pombos voltou à quantidade inicial e, na maioria dos casos, excedeu esta quantidade em 15% a 30%.

Segundo a pesquisa, isto ocorre porque matar os pombos adultos em um bando favorece os mais jovens e saudáveis que, ao invés de serem eliminados, acabam por se reproduzir com maior sucesso.

 

ENTÃO... COMO ESPANTAR POMBOS SEM MATÁ-LOS?

A grande adaptação de pombos domésticos em ambientes urbanos se dá por 4 razões básicas:

- Disponibilidade de alimentos;

- Oferta de abrigo;

- Ausência de predadores;

- Alta taxa de reprodução.

Diante disso, mostraremos como espantar pombos utilizando métodos comprovadamente eficazes. É importante ressaltar que a adoção destas medidas em conjunto traz melhores resultados.

 

CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

(fonte: https://bunnywarren10.wordpress.com/2011/01/06/dont-feed-the-pigeons/)

Há quem ainda relute em tratar pombos como praga. Estas pessoas muitas vezes se encarregam de alimentar os animais, fazendo com que estes sejam atraídos ao local e ainda ficam contrariados com ações contrárias.

Uma ação que pode ser tomada é a realização de campanhas educativas que orientem as pessoas sobre os problemas causados pelos pombos, e a necessidade de cessar o fornecimento de alimentos a eles, um dos principais fatores de atração para os animais.

Como você pode ver nesta imagem, alimentar pombos e gaivotas em Londres pode resultar em uma multa de até 2500 libras (na data de publicação deste artigo, algo próximo a onze mil reais!!!)

 

ELIMINAR AS DEMAIS FONTES DE ALIMENTOS

Estudos realizados no Brasil e em outros países já demonstraram que, apenas com a supressão das fontes de alimentação, a redução no número de aves é significativa em um curto espaço de tempo.

Se não há pessoas alimentando os pombos, é importante eliminar outras fontes de alimentos. Estas fontes, normalmente, são resíduos que se acumulam em um local, como feiras, praças, restaurantes, etc.

Para isso, deve-se realizar a limpeza periódica do local e, em conjunto, campanhas de conscientização sobre a manutenção desta limpeza.

 

IMPEDIMENTO DE ACESSO

Esta é uma medida que deve ser adotada em locais fechados, como estações de trem, mercados e rodoviárias.

Muitas vezes, a instalação de barreiras físicas impede ou dificulta o acesso dos pombos, que acabam por procurar outro local para se instalar.

Telhas com reentrâncias devem ser evitadas e, no caso da impossibilidade da troca das telhas, pode-se realizar a instalação de redes ou telas de nylon (como aquelas usadas em janelas de prédios para proteção) ou arame.

Tela para impedir acesso de pombos a reentrâncias de telhados. (http://www.pigeoncontrolresourcecentre.org)

 

IMPEDIMENTO DO EMPOLEIRAMENTO

Em locais onde o impedimento de acesso não é possível, pode-se prever ou instalar estruturas que impeçam o empoleiramento do pombo.

A concepção de estruturas diagonais ao invés de horizontais é uma forma de evitar o empoleiramento e a construção de ninhos.

Na impossibilidade da modificação da estrutura, pode-se instalar espículas nos locais de empoleiramento. Elas são eficazes, possuem baixo custo e são simples de instalar.

Exemplo de espículas. (fonte: http://www.pigeoncontrolresourcecentre.org)
Espículas instaladas. (fonte: www.birdbgone.com/)

ELIMINAR NINHOS

Uma vez que estamos considerando controlar os pombos sem matá-los, é provável que eles se reproduzam e façam ninhos.

Neste caso, é necessário que uma equipe de manutenção esteja sempre verificando a presença de ninhos nas instalações e, caso os encontre, elimine-os.

 

POMBAIS

Os pombais, ou “Dovecotes”, eram comuns na Europa entre os séculos XVI e XIX como forma de captura e manutenção de pombos para diferentes propósitos (domesticação, fonte de alimento, etc).

A Pigeon Control Advisory Service (PiCAS) foi pioneira no uso dos pombais como um método de controle de pombos, não apenas pelo custo-benefício, mas também pela forma sustentável, não-cruel e de fácil manutenção.

Trata-se, nada mais, nada menos, de um criadouro para onde os pombos são atraídos pela oferta de alimento. Esta oferta pode ser feita, por exemplo, pelo público, que é encorajado a alimentar os pombos apenas no pombal, cessando a alimentação em outros lugares. Devido ao limite de tamanho do abrigo e de alimento, os próprios animais controlam sua reprodução, mantendo-se em número reduzido.

O local deve sofrer manutenção frequente. Não é recomendado destruir os ninhos, pois isto pode afugentar os pombos. Uma forma de evitar a reprodução é impermeabilizar os ovos com parafina líquida, a qual bloqueia as trocas gasosas através da casca, impedindo o desenvolvimento do embrião.

Experimentos da PiCAS com a adoção de pombais resultaram em redução da população de pombos de um local em 50%, chegando até a 95%.

Perceba como espantar pombos é uma tarefa trabalhosa. Agora que você já conhece as medidas, aplique-as em conjunto e conte-nos sua experiência!

Se você gostou:

  • Deixe seus comentários;
  • Curta nossa página do facebook;
  • Cadastre-se em nossa lista de emails.

Até o próximo artigo.

[1] Regulation of the street pigeon in Basel, de Daniel Haag-Wackernagel, 1992

6 Comentários


  1. bom dia,
    Sou biólogo e trabalho em uma empresa de controle de Vetores e Pragas Urbanas.
    E os procedimentos que foram listados são os mesmos que usamos.
    Parabéns pelo site..

    Responder

    1. Olá Antônio.

      Nós realmente fazemos uma pesquisa bem criteriosa para escrever nosso conteúdo.
      Se possível, compartilhe seus resultados conosco!

      Abraço

      Responder

  2. Parabéns pelo material e todo o site.
    Fique com uma duvida?
    Devo eliminar o ninho ou não?

    Responder

    1. Olá Peovão.
      Muito obrigado!
      Sobre os ninhos, eles devem ser eliminados, exceto no caso dos pombais. Os pombais serão como criadouros, onde você deverá eliminar apenas os ovos.

      Responder

  3. Não sei se em nossa região teríamos sucesso com essas práticas. Não tem como reduzir a questão de alimentos, visto que somos produtores de grãos, e ao redor da cidade temos uma oferta imensa antes, durante e após as safras (soja, milho, girassol, arroz…), bem como, com o trânsito de carretas carregadas, sempre cai grãos no transporte, (fora as empresas de recebimento) A cidade é muito plana, e época de chuva temos muitas poças e ainda, existem lavouras com com pivôs de irrigação, OU grandes reservatórios para distribuição de água para o gado (grande oferta de água),. Enfim, cidade voltada exclusivamente para agricultura, o que faz ser de extrema atratividade para as pombas. Por isso questionei no artigo “Matar pragas é crime ambiental” a questão de não existir produto específico como para ratos, para eliminar pombos. E pombos, são ratos que voam… e Ratos, são pombos sem asas rsrsrsrs
    Abraços

    Responder

    1. Realmente quando a situação de oferta de alimentos é abundante é mais complicado. Nesse cenário específico, é interessante que seja contratada um consultoria para avaliar as opções.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *