Gestão de Produtos Químicos – Introdução

Tempo de leitura: 8 minutos

pesquisa-produtos-quimicosSe você pedir a uma pessoa exemplos de produtos químicos, é muito provável que ela cite produtos com características extremas: ácido sulfúrico, soda cáustica, benzeno, dentre outros.

Isto porque as pessoas costumam associar erroneamente a expressão “produtos químicos” a “produtos extremamente perigosos”.

Porém, o que muita gente não percebe é que convivemos diariamente com produtos químicos, e que nem todos são realmente perigosos. Mesmo assim, seu gerenciamento é essencial.

Neste artigo nós vamos fazer uma abordagem inicial sobre a gestão de produtos químicos, alguns conceitos importantes, por que e o que gerenciar.

O QUE SÃO PRODUTOS QUÍMICOS E QUAIS GERENCIAR?

Da mesma maneira que ocorre com o conceito de meio ambiente, existem inúmeros conceitos para “produto químico”. Apresentaremos o conceito presente no Decreto 2657/98, que promulga a Convenção 170 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), relativa à Segurança na Utilização de Produtos Químicos no Trabalho:

“a expressão “produtos químicos” designa os elementos e compostos químicos, e suas misturas, sejam naturais, sejam sintéticos;”

Você já deve ter ouvido algum professor de química dizer que “a química está em toda parte”! E esta definição da OIT representa bem isso. Bem até demais...

Analisando friamente, você perceberá que praticamente tudo é produto químico segundo esta definição. Água, o oxigênio que respiramos, o plástico que compõe seu computador, o papel em que escrevemos... Tudo isto é resultado de alguma reação química que provocou uma associação de átomos. Perceba que “produto químico” é quase um sinônimo de “coisa”...

Isto quer dizer que, quando se fala em gerenciar produtos químicos, devemos gerenciar todos?

A resposta é sim!

Calma, vamos explicar o por quê:

organizacao-produtos-quimicosComo já dissemos em nosso artigo “Sistema de Gestão – Introdução”, consideramos quatro etapas dentro de um sistema de gestão: Planejamento, Execução, Verificação e Ação.

Ao analisar o conceito de produtos químicos, e pensar “o que eu realmente devo gerenciar?”, você já está planejando e, consequentemente, gerenciando.

Se você verificar as normas de gestão de SST e ambiental, vai notar que a fase de planejamento é iniciada pela identificação de perigos e avaliação de riscos e pela identificação e avaliação de aspectos e impactos ambientais.

Então, identificam-se nesta fase todos os produtos que podem incorrer em riscos à saúde humana ou em impactos adversos ao meio ambiente. Estes produtos, devido a suas características, serão passíveis de controle na fase de Execução. Note que a própria separação de produtos perigosos e não perigosos também faz parte da gestão.

Perceba também que o controle de produtos químicos não se aplica apenas a substâncias com características extremas. Desinfetantes, remédios, tintas, dentre outros, são passíveis de controle pois, se utilizados de maneira imprópria, podem trazer riscos à saúde e ao meio ambiente.

Em resumo, todos os produtos químicos devem ser gerenciados, mas apenas os que podem incorrer em riscos à saúde humana ou em impactos adversos ao meio ambiente devem ser controlados.

POR QUE GERENCIAR?

gestao-de-produtos-quimicosNovamente, citamos o Decreto 2657/98:

“Artigo 1

  1. A presente Convenção aplica-se a todos os ramos da atividade econômica em que são utilizados produtos químicos.

(...)

Artigo 2

Para fins da presente Convenção:

(...)

c) a expressão “utilização de produtos químicos no trabalho” implica toda atividade de trabalho que poderia expor um trabalhador a um produto químico, e abrange:

I) a produção de produtos químicos;

II) o manuseio de produtos químicos;

III) o armazenamento de produtos químicos;

IV) o transporte de produtos químicos;

V) a eliminação e o tratamento dos resíduos de produtos químicos;

VI) a emissão de produtos químicos resultantes do trabalho;

VII) a manutenção, a reparação e a limpeza de equipamentos e recipientes utilizados para os produtos químicos;”

Ou seja, é lei!

“Ora, se produtos químicos utilizados em casa não precisam de gestão, por que gerenciar na empresa?”

Primeiramente, engana-se quem acredita que no ambiente doméstico não é necessária a gestão de produtos químicos. Veja a seguinte notícia:

“Manter as crianças em casa é a garantia de segurança? Nem sempre. O ambiente doméstico é justamente o campeão de registros de intoxicação, e os menores de 5 anos são as maiores vítimas. Cerca de 20% dos acidentes em 2010 aconteceram nessa faixa etária. Prevenção e atenção dos pais são o melhor remédio para a curiosidade dos pequenos.

O último levantamento do Sistema Nacional de Informações Tóxico Farmacológicas (Sinitox), da Fiocruz, aponta 103.184 intoxicações no país, em 2010. Dessas, 23.123 (22,4%) aconteceram em menores de 5 anos. Entre os pequenos, 36% dos acidentes ocorreram com medicamentos, 23% com produtos de limpeza e 8% com produtos químicos, como tinta e solvente."

Extraído de http://odia.ig.com.br/noticia/mundoeciencia/2013-08-18/ambiente-domestico-e-campeao-em-acidentes-com-intoxicao-por-produtos-quimicos.html

bebe-cozinhaUm Sistema de Gestão é um conjunto de ações e métodos que são empregados para melhorar a administração, com o intuito de se alcançar um objetivo. Identificar produtos perigosos, realizar a rotulagem das embalagens, manter os produtos em locais de difícil acesso para crianças, utilizar luvas, nada mais são do que processos de gestão essenciais no ambiente doméstico com o objetivo de evitar acidentes.

Considere, agora, que os produtos químicos utilizados no ambiente de trabalho, normalmente, são mais agressivos do que os consumidos em casa, pois os processos exigem maiores concentrações destes produtos. Assim sendo, as consequências de acidentes podem ser muito mais graves. Por esta razão, o controle destes produtos deve ser muito mais rigoroso.

Por exemplo, a água oxigenada vendida na farmácia possui apenas 3% de Peróxido de Hidrogênio (H2O2) e é aplicada sobre a pele ou até mesmo em bochecho para clareamento dental. Já a água oxigenada utilizada no tratamento de efluentes pode chegar a 80% de H2O2, e é um potente oxidante que pode reagir com a pele ou outros materiais, provocando queimaduras graves.

Lembre-se também de que os produtos químicos são um aspecto ambiental de muitas atividades e seus impactos ambientais associados podem ter proporções desastrosas.

Boiou? Então leia o artigo abaixo:

madeira procedência
Aspecto e Impacto Ambiental – Conceito

Ou seja, o gerenciamento de produtos químicos, além de ser requisito legal, é importante para evitar acidentes e impactos ambientais.

COMO GERENCIAR?

Existem quatro etapas principais do gerenciamento de produtos químicos que, se não realizadas de forma correta, podem gerar grandes problemas: armazenamento, manuseio, transporte e eliminação.

A eliminação é uma etapa especial que pode ser gerenciada através do Plano de Gerenciamento de Resíduos (PGRS).

Saiba mais sobre o PGRS:

Resíduo sólido
Resíduos Sólidos – A lei 12.305 e o PGRS

Há ainda a necessidade de gerenciar produtos químicos presentes em equipamentos, sabendo-se que estes são passíveis de vazamentos. Este tipo de gestão é bem específico e deve ser analisado de acordo com o caso.

Por exemplo, trabalhei em uma empresa que possuía um banco de baterias que serviam para gerar eletricidade em caso de falta de energia. Havia uma grande sala com várias dessas baterias, as quais eram feitas de um material semelhante a acrílico e possuíam ácido sulfúrico como eletrólito (um volume aproximado de 20 litros em cada bateria).

Resultado: certo dia, quando a equipe de elétrica foi fazer a manutenção das baterias, um dos funcionários se desequilibrou e derrubou duas delas, quebrando-as e espalhando ácido pela sala.

Na época, nós não atentamos para a necessidade do gerenciamento das baterias e a falta deste resultou em um acidente. Frente a isso, iniciamos o controle deste material de forma específica.

Por isso, deve-se estar atento a todas as atividades que são desenvolvidas na empresa.

Os controles associados ao manuseio, transporte e armazenamento, como são mais extensos, serão tratados nos próximos artigos. Então, fique ligado e até a próxima!

Para refletir

Você já deve ter notado que muitas pessoas utilizam a palavra “química” com um sentido negativo:

“Ah, este produto é ruim porque tem muita química.”

“Prefiro homeopatia, pois remédios têm muita química.”

É importante entender que a química é uma ciência, não algo danoso inerente a algum produto. A palavra “química” nas frases acima é utilizada equivocadamente com o sentido de “produtos químicos nocivos à saúde”.

Um produto homeopático e um remédio industrializado possuem muita química em comum: as ligações de diferentes naturezas entre seus átomos; a extração de seus princípios ativos; a dissolução em um veículo adequado; etc. Mas o produto homeopático não possui tantos produtos químicos nocivos à saúde quanto o remédio industrializado.

Para refletir 2

Você percebeu que na matéria que citamos sobre acidentes domésticos o colunista diferenciou medicamentos e produtos de limpeza de produtos químicos?

"Entre os pequenos, 36% dos acidentes ocorreram com medicamentos, 23% com produtos de limpeza e 8% com produtos químicos, como tinta e solvente."

2 Comentários


  1. Boa tarde.
    Sou assistente de compras da Natex, gostaria de mandar um Imp para sua empresa para que se possível venha ser realizada uma cotação de produtos químicos.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *