Resíduos Sólidos, Resíduos Líquidos, Efluentes e Afluentes.

Tempo de leitura: 5 minutos

Qual a diferença entre Resíduos Sólidos e Resíduos Líquidos?

tooloil Esta pergunta pode parecer boba, mas ela é muito mais intrigante do que se imagina. Isto porque o conceito de resíduos sólidos extrapola o simples estado da matéria. E isto pode alterar seu PGRS!

Quando se pergunta a diferença entre Resíduo Líquido e Efluente Líquido, a confusão fica um pouco maior.

E a confusão pode ser ainda maior quando se fala de Efluente Líquido. Isto não é um pleonasmo? Todo efluente não é líquido?

Este artigo busca induzir e, ao mesmo tempo, sanar essas dúvidas! Vamos lá?

RESÍDUOS SÓLIDOS X RESÍDUOS LÍQUIDOS

A Lei n° 12.305, de 2 de agosto de 2010 (Política Nacional de Resíduos Sólidos) apresenta o seguinte conceito:

“Art. 3° Para os efeitos desta Lei, entende-se por:

(...)

XVI - resíduos sólidos: material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade, a cuja destinação final se procede, se propõe proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados sólido ou semissólido, bem como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d’água, ou exijam para isso soluções técnica ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível;”

Podemos também citar a definição da ABNT NBR 10.004/2004:

“3           Definições

Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições:

3.1 resíduos sólidos: Resíduos nos estados sólido e semi-sólido, que resultam de atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água, ou exijam para isso soluções técnica e economicamente inviáveis em face à melhor tecnologia disponível.”

Ora, quem diria que um líquido pode ser considerado resíduo SÓLIDO? Interessante, não? Note, então, que os resíduos sólidos podem ser sólidos, semi-sólidos, líquidos ou gasosos! Mas não é qualquer tipo de gás ou líquido que pode ser considerado resíduo sólido.

Voltando às definições, veja que a Lei n° 12.305/2010 explicita que gases são considerados resíduos sólidos apenas quando contidos em recipientes. Então, podemos afirmar que um botijão de GLP (Gás Liquefeito de Petróleo, o famoso gás de cozinha) pode ser um resíduo sólido.

Vamos agora falar sobre os líquidos!

RESÍDUO LÍQUIDO X EFLUENTE LÍQUIDO

Efluente ou resíduo?
Efluentes devem ser tratados antes de seu lançamento em corpos d'água.

Voltando às definições anteriormente apresentadas, veja que ambas referenciam como resíduo sólido os líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água, ou exijam para isso soluções inviáveis.

Podemos, então, dizer que qualquer resíduo líquido que não possa ser tratado de forma que seja possível seu lançamento em corpos d’água ou no esgoto é considerado resíduo sólido. Ou seja, resíduos líquidos são um tipo de resíduos sólidos.

Assim sendo, vamos aos efluentes líquidos. Efluentes líquidos, por sua vez, são os líquidos que podem ser tratados de forma que seu lançamento em corpos d’água ou esgotos é possível sem que haja impacto ambiental significativo. Um exemplo são os efluentes domésticos que, após sofrerem tratamento em ETEs (Estações de Tratamento de Efluentes), são encaminhados a corpos d’água.

MAS... TODO EFLUENTE É LÍQUIDO, NÃO?

Indústrias
Muitas indústrias produzem efluentes sólidos, líquidos e gasosos.

Não. Muita gente associa a palavra “efluente” automaticamente a “líquido”, mas isto é incorreto.

A palavra “efluente” deriva de “efluir”, que significa “fluir de” ou “emanar”. Ou seja, efluente é todo material, sólido, líquido ou gasoso, que flui a partir de algo (de um corpo, de um processo, etc.)

O que nos leva à última desambiguação...

EFLUENTE X AFLUENTE

Uma Estação de Tratamento de Efluentes trata sempre efluentes? Depende do referencial!

Como dito, efluente é todo material que sai de um processo. De forma contrária, o afluente é todo material que entra em um processo. “Afluente” deriva de “afluir”, que significa “correr para” ou “chegar a”.

Veja o exemplo abaixo:

Efluentes x afluentes

Neste exemplo:

- A água é efluente do lago e afluente da indústria;

- Os rejeitos são efluentes da indústria e afluentes da ETE;

- O líquido tratado é efluente da ETE e afluente do corpo d’água.

RESUMINDO

Resíduo sólido Resíduo nos estados sólido, semissólido, líquido ou gasoso (contido em recipiente).
Resíduo líquido Tipo de resíduo sólido que não pode ser lançado em corpos d'água.
Efluente líquido Líquido resultante de um processo que pode ser lançado em corpos d'água após tratamento.
Efluente Qualquer material, sólido, líquido ou gasoso, que sai de um processo.
Afluente Qualquer material, sólido, líquido ou gasoso, que entra em um processo.

Estas definições vão facilitar muito seu trabalho no desenvolvimento do PGRS e do PGRSS! Quer saber mais sobre estes Planos? Então acesse nossos artigos abaixo:

wall-e
Resíduos Sólidos – A lei 12.305 e o PGRS
PGRSS
Resíduos Sólidos – Serviços de Saúde e o PGRSS

Quer sugerir algum conteúdo? Deixe seu comentário abaixo!

16 Comentários


    1. Que bom, Maria. Trabalhamos muito para manter a qualidade de nosso conteúdo e gostamos de receber feedbacks! Seja bem vinda sempre.

      Responder

    2. Gostei muito das informações mas ainda me é um tanto confuso,quero entender melhor resíduo sólido para o liquido ou vice versa.Liquido para o sólido.

      Responder

      1. Bom dia, Maria!
        É o seguinte: o estado físico em si não é determinante para a nomenclatura.
        Se você procurar o conceito de resíduo líquido, tanto na Lei 12.305/10 quanto na NBR 10.004, ele simplesmente não existe! Isto porque o resíduo líquido é considerado um tipo de “resíduo sólido” sendo, inclusive, citado no próprio conceito de resíduo sólido.
        Entendeu?

        Responder

    1. Que bom que gostou, Solange. Pedimos que compartilhe para que outras pessoas possam compreender também.

      Responder

  1. Ótima explicação sobre resíduos sólidos, líquidos, efluentes e afluentes.
    Obrigado.

    Responder

    1. Muito obrigado Tiago. Ficamos felizes que tenha gostado.
      Continue nos acompanhando pelo site e pelas redes sociais.

      Abraço.

      Responder

  2. gostaria de saber qual a diferença entre resíduo sólido e efluente sólido? já que me parecem tão parecidos.

    Responder

    1. Olá Tatiane.
      Na verdade, não há diferença!
      Como dissemos, o efluente é tudo que sai de um processo. Os resíduos sólidos nada mais são do que efluentes de um processo. Porém, a denominação “efluente sólido” não é usual. Aliás, se você usá-la, é bom estar preparada, pois certamente será questionada. Nós recomendamos adotar a denominação usual, resíduo sólido.

      Um abraço.

      Responder

  3. Muito bom! Muito didático. Parabéns!
    Sugiro um quadro/fluxo final que resuma e permita entender a diferença dos tipos de resíduos sólido/líquido/gasoso/efluente/afluente…
    Obrigado

    Responder

    1. Bom dia, Rodrigo.

      Se você buscar a definição de “Dejeto” no dicionário, verá que ela está associada a “fezes”. Considerando o esgoto em geral, podemos enquadrá-lo como efluente líquido, já que ele é passível de tratamento.

      Responder

    1. Bom dia, Cremildo. Infelizmente não conheço nenhuma forma caseira de tratamento deste material. Como se trata de um resíduo contaminante, é preciso ter um maior know how no assunto. Tentarei pesquisar e te dar uma resposta mais adequada. Abraço.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *