Risco X Perigo – Há diferença entre eles?

Tempo de leitura: 6 minutos

Perigo x risco

Você sabe qual a diferença entre Risco e Perigo?

Essa distinção me assombrou por muito tempo. Isto porque, a depender da literatura que consultava, havia sempre uma definição diferente.

E nunca chegava a um consenso.

Leão Perigo x RiscoJá vi literatura afirmando que Risco é o produto entre frequência e consequência; outra dizia que era produto entre probabilidade e severidade; outra afirmando que era a combinação da probabilidade com gravidade... Enfim, várias.

Já vi também gente falando que perigo é um leão na jaula, e risco é abrir a jaula. Mas, a não ser que você trabalhe em um circo, esta definição não ajuda muito...

O fato é que a distinção que ficou mais clara para mim, foi uma publicada numa das edições da Revista Proteção de 2015, não lembro qual edição, mas para mim é a mais lógica e fácil de abstrair.

Neste artigo vou te mostrar qual é essa distinção e porque ela faz total sentido.

RISCO X PERIGO

A principal diferença entre Riscos e Perigos está na exposição.

O Risco advém da exposição a um certo Perigo.

Vamos desenvolver essa ideia.

Segundo a OHSAS 18001, Perigo é toda fonte, situação ou ato com potencial para provocar danos humanos em termos de lesão ou doença.

O Perigo pode ser um produto químico, uma máquina rotativa, uma superfície quente, um chão escorregadio, uma área ruidosa, uma área com alta temperatura, área energizada, entre outros. Perceba que todos esses casos representam situações potenciais para acontecer uma lesão. São situações perigosas.

Contudo, essa lesão só acontece se houver exposição do trabalhador a esses Perigos. Essa exposição tem a ver com a proximidade do trabalhador à fonte de perigo.

Tomemos como exemplo uma máquina rotativa operando sem proteção. Ela é uma fonte de perigo. O Risco aparece com a aproximação do trabalhador ou qualquer outra pessoa, pois eles estão se expondo àquele perigo. Se não houver aproximação do trabalhador não haverá Risco de qualquer dano sobre ele.

O mesmo acontece com uma superfície quente. Ela é uma fonte de perigo. Enquanto não houver aproximação de trabalhadores à superfície quente não há nenhum risco de acidente. Mas no momento em que há essa aproximação, aumenta-se a exposição e o trabalhador fica sob risco.

O mesmo acontece com todas as outras fontes de perigo.

Portanto, o Risco está associado à exposição ao perigo.

Se pensarmos em uma linha cronológica, primeiro surge o Perigo para em seguida, se houver exposição, surgir o risco.

No próximo tópico vou te mostrar como reduzir o risco.

MEDIDAS DE CONTROLE - COMO REDUZIR O RISCO

Agora que sabemos que o risco depende da exposição ao perigo, se quisermos controlá-lo podemos fazer de duas formas: eliminando o perigo ou reduzindo a exposição a ele.

Segundo a OHSAS 18001, as medidas de controle de riscos devem seguir a seguinte sequência hierárquica:

  • Eliminação;
  • Substituição;
  • Controles de Engenharia;
  • Sinalização / alertas e/ou controle administrativos;
  • Equipamentos de Proteção Individual - EPI.

Se analisarmos profundamente estas medidas de controle sugeridas pela OHSAS 18001, perceberemos que elas se resumem em atuações para eliminar o perigo ou limitar a exposição a ele.

controle de riscos - infográfico

A Eliminação e a Substituição atuam geralmente na fonte do perigo. Por outro lado, os controles de engenharia, a sinalização, os alertas, os controles administrativos visam diminuir a exposição do trabalhador ao evento perigoso. Por último, nos casos em que não se consegue eliminar o perigo, nem controlar a exposição ao evento danoso, utilizam-se os equipamentos de proteção individual.

Por exemplo:

  • Ferramenta certo x erradoa retirada de um produto químico armazenado indevidamente em um ambiente de trabalho é uma forma de eliminação da fonte de perigo no ambiente de trabalho;
  • a troca de máquina rotativa por outra sem estrutura rotativa, ou de um equipamento com pouco isolamento térmico por outro com melhor isolamento térmico de tal forma que sua superfície não fique aquecida são exemplos de controle do perigo através da substituição;

Contudo, nem sempre será possível eliminar o perigo do ambiente de trabalho, seja por limitações tecnológicas ou econômicas. Nestes casos, é recomendado que se atue na limitação da exposição. São os casos dos controles de engenharia, da sinalização, dos alertas e dos controles administrativos.

Por exemplo:

  • a instalação de um exaustor em uma atividade de soldagem é um controle de engenharia com instalação de uma medida de de proteção coletiva que evita que os trabalhadores fiquem expostos àqueles agentes nocivos (fumos de solda) oriundos da atividade;

  • a sinalização de áreas perigosas, os bloqueios de acesso, os alertas são meios de evitar a aproximação das pessoas aos eventos perigosos;

  • A emissão de ordens de serviço, permissões para o trabalho, controle de acesso de pessoas a áreas perigosas são medidas que limitam o número de funcionários ao evento perigoso, controlando o risco nas atividades.

O uso de Equipamento de Proteção Individual é indicado quando há inviabilidade técnica das medidas expostas acima, quando elas não forem suficientes para eliminar o risco ou encontrarem-se em fase de estudo, planejamento, implantação, em caráter complementar ou emergencial.

Por exemplo:

Imagine a situação de uma obra. A empresa está construindo uma edificação que se encontra no décimo pavimento, ela utiliza rede de proteção periférica, e plataformas principais e secundárias de acordo com a NR18, além disso tem sinalização em toda obra sobre os riscos de queda de materiais, essas medidas são medidas de engenharia e de sinalização, mas são insuficientes para eliminar o risco, uma vez que muitos funcionários transitam em baixo da obra. Neste caso, é recomendado o uso do Capacete com Carneira para proteger contra queda de materiais na cabeça.

Perceba que em muita situação as medidas de controle prioritárias não serão suficientes para eliminar o risco, devido às impossibiIidades de eliminação do perigo ou limitação da exposição do trabalhador. Nestes casos, o uso do Equipamento de Proteção Individual -EPI é o mais indicado.

Gostou da ideia trabalhada neste artigo?

Então:

  • Curta este artigo;
  • Compartilhe com seus colegas;
  • Deixe seu comentário aqui embaixo.Sua participação é importante para nós.

Veja Também:

Levantamento de Perigos e RiscosLevantamento de Perigos e Riscos

mapa-de-riscosMapa de Riscos - Domine este tema tão importante em SST

Teste seus conhecimentos sobre Perigos e Riscos

 Relação entre aspecto e impacto ambiental e perigo e risco

Grande Abraço

Até o próximo artigo.

 

20 Comentários


    1. Olá Isa, que bom que você gostou! Seja bem vinda ao nosso blog! Grande Abraço

      Responder

  1. Olá, boa tarde.

    Eu adorei o conteúdo desse artigo, principalmente pelas idéias que foram apresentadas para evitar, reduzir ou controlar um fator de risco ou uma situação perigosa. Eu já havia participado de discussão sobre mas achei bem completa toda a informação.
    É bacana que depois de ler, eu fico reparando possíveis áreas de risco ao meu redor e penso se tem como evitar que se torne.

    Responder

    1. Olá Tainnah, fico feliz em poder te ajudar e saber que o objetivo do artigo foi atingido!!

      É isso mesmo!! Agora que aprendeu mais um pouco é hora de colocar em prática, e fazer o levantamento de perigos e riscos em sua empresa.

      Responder

  2. Sempre bom conscientizar as pessoas dos acidente de trabalho e como pode ser avitado. gostei

    Responder

    1. Que bom que gostou, Renata! Continue nos acompanhando e participando ativamente!!

      Responder

  3. Olá Danilo
    Gostei do seu artigo, pois sempre tive dúvidas sobre a definição do assunto. Agora ficou bem claro para mim.
    Agradeço sua dedicação em transmitir seusconhecimentos.

    Responder

    1. Olá Gilberto, fico feliz em poder te ajudar!! Continue nos acompanhando!! Grande abraço!

      Responder

  4. Excelente esplanação. Ficou bem claro e vou usar o material em minhas aulas. Obrigada

    Responder

    1. Que legal, Cristina!! Fique à vontade! Aproveite para divulgar nosso trabalho junto aos seus alunos, ok??Grande Abraço!

      Responder

    2. Olá Cristina, que bom que você gostou! Se tiver alguma sugestão de assunto para publicarmos aqui no blog, fique à vontade para solicitar!! E se possível, compartilha nosso blog com seus alunos! Abraço

      Responder

    1. Oi Matheus!! Que bom que você gostou!! Compartilha o conteúdo em suas redes!! Grande abraço!!

      Responder

    1. Oi Sheila, legal que você gostou!! Fico muito feliz!! Compartilhe nosso conteúdo e nos acompanhe no blog!! Grande abraço

      Responder

  5. Bom dia!
    Este artigo é muito bom!

    Mas tenho uma dúvida e ela é a seguinte:

    Um colaborador que exerce suas atividades em um ambiente ruidoso contínuo com o valor de 79dB, conforme avaliação quantitativa.

    De acordo com a NR15- Atividades e Operações Insalubres, o colaborador não terá danos à sua saúde
    durante a sua vida laboral diante deste valor mencionado, correto?
    O que eu gostaria de entender é, mesmo que ele não seja afetado, pois as medições comprovam que o ruido esta abaixo do limite de ação. Ele ainda assim se encontra exposto ao risco? Para realização do PPRA e MAPA DE RISCO eu considero a existência deste risco…. mesmo que ele não venha afetar a saúde do trabalhador???
    Enfim, ambientes onde existam atividades que gerem ruído, fumos, vapores,… e que os mesmos se encontram abaixo do nível de ação de acordo com as normas e legislações, devemos considerar em documentos de segurança do trabalho como riscos aos quais os colaboradores estão expostos, mesmos que estes não os afetem???

    Me perdoe a redundância nas perguntas, mas é que eu queria ser bem clara o possível quanto a minha dúvida.

    Fico no aguardo de vocês!

    Responder

    1. Oi Maria Gabriela, muito boa a pergunta!!
      A sua resosta está no item 9.3.4, item a da NR9.
      9.3.4 A avaliação quantitativa deverá ser realizada sempre que necessária para:
      a) comprovar o controle da exposição ou a inexistência riscos identificados na etapa de reconhecimento;

      Ou seja, você reconhece o agente ruído ma atividade e, através da medição, comprova que ele está sob controle. O registro no PPRA evidencia que você está monitorando o agente de risco e que ele está controlado.
      Desta forma, mesmo estando abaixo do LT faz-se necessária sua identificação para que você monitore que, realmente, o ruído permanece sob controle.

      Espero ter ajudado.
      Grande abraço

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *