Riscos de Acidentes – Saiba quais são e como identificá-los

Tempo de leitura: 9 minutos

Você sabe quais os riscos de acidentes? Ou como identificá-los de forma rápida e eficiente no ambiente de trabalho?

Saber identificar as inúmeras situações de riscos de acidentes no ambiente de trabalho é um tremendo desafio, mas aqui neste artigo vou te dar umas dicas para que essa sua missão seja realizada de forma mais eficiente.

Neste artigo vou te apresentar:

  • Os riscos de acidentes
  • Qual a forma indicada para identificar os riscos de acidentes

Riscos de Acidentes - O que é?

Riscos de Acidentes são as situações no ambiente de trabalho com potencial de causar dano instantâneo, material ou pessoal, aos quais os trabalhadores estão expostos.

Perceba que no conceito acima apresentado, falamos de “potencial de causar dano”, e “exposição”. Esses são termos associados aos conceitos de Perigo e Risco. Se você não sabe a diferença entre eles acesse o artigo: Perigos x Riscos - Qual a diferença entre eles?

Diferentemente dos riscos ambientais e ergonômicos cujos efeitos nocivos aparecem, geralmente, após certo tempo, os riscos de acidentes têm a capacidade de causar dano instantâneo. Devido aos grandes prejuízos causados pelos acidentes, saber quais as situações de riscos de acidentes e saber identificá-los no ambiente de trabalho é fundamental para todo profissional de segurança do trabalho.

Nos próximos tópicos vou te apresentar várias situações de riscos de acidentes e, no final, te direi a forma mais indicada para identificar os riscos de acidentes no ambiente de trabalho.

Continue acompanhando este artigo até o final.

Riscos de Acidentes - Quais os mais comuns?

São inúmeras as situações de riscos de acidentes. Apesar disso, é possível separarmos essas situações em 3 grandes grupos para melhor identificá-los nos ambientes de trabalho. Geralmente os riscos de acidentes são relativos a:

  • Condição Ambiente de Insegurança
  • Fator Pessoal de Insegurança
  • Ato Inseguro

Riscos de Acidentes - Quanto à Condição Ambiente de Insegurança

Riscos de acidentes Cond amb de insegurança

Os riscos de acidentes associados à Condição Ambiente de Insegurança são aqueles que resultam de situações que tornam o ambiente perigoso. Podem ser identificados por simples observação e são, geralmente, de fácil eliminação.

Visualize os exemplos abaixo e perceba que todos os exemplos dizem respeito às características do ambiente de trabalho.

  • Problemas de espaço e circulação;
  • Materiais ou equipamentos defeituosos;
  • Ventilação inadequada;
  • Existência de Ruído;
  • Iluminação inadequada;
  • Ordem e limpeza inadequadas;
  • Colocação Perigosa (Posição Inadequada ou empilhamento inadequado);
  • Proteção Coletiva inadequada ou inexistente;
  • Atividade Perigosa;
  • Falta de EPI na empresa;
  • Fornecimento de Vestuário impróprio

As situações acima descritas são perigosas ou podem gerar perigo. Quando um trabalhador se aproxima (se expõe) a elas surge o risco de acidentes

Por exemplo: A presença no ambiente de trabalho de materiais ou equipamentos defeituosos são Perigos no ambiente de trabalho; já sua utilização gera uma situação de Risco de Acidentes, devido à exposição àquele perigo.

Outro exemplo é o caso de ventilação inadequada. Uma ventilação inadequada em um ambiente com muitos contaminantes voláteis (vapores) é uma situação perigosa. A aproximação, ou o trabalho neste ambiente gera um risco de acidentes para o trabalhador.

Os riscos de acidentes não surgem apenas de Condições Ambientais de Insegurança. Muitas vezes são decorrentes de características pessoais dos trabalhadores que potencializam as chances de acidentes de trabalho. Essas características pessoais são denominadas de Fator Pessoal de Insegurança. Veja os detalhes no próximo tópico.

Riscos de Acidentes - Fator Pessoal de Insegurança

riscos de acidentes fator pessoal

Segundo a NBR 14280, o fator pessoal de insegurança é a situação relativa ao comportamento humano que pode levar a ocorrência do acidente ou à prática do ato inseguro. São exemplos:

  • Falta de conhecimento ou experiência;
  • Desajustamento físico;
  • Desajustamento emocional ou mental

Vamos falar um pouco sobre cada um deles:

A falta de conhecimento ou de experiência na execução de uma atividade pode oferecer riscos aos funcionários. Imagine se colocar um funcionário para executar um trabalho em altura sem o mesmo ser treinado nas medidas de controle para atividades em altura. Ou até mesmo se fizer uma manutenção elétrica sem saber os procedimentos de segurança para atividades em eletricidade. Para evitar tais situações de riscos de acidentes é fundamental que os funcionários sejam treinados, e além disso, que sejam valorizados os funcionários mais experientes.

Os desajustamentos físicos podem ser caracterizados por deformidade, debilidade muscular, debilidade esquelética, deficiência visual, auditiva ou olfativa, insensibilidade cutânea, doença degenerativa, hérnia preexistente, entre outros. Quaisquer dessas situações são fatores de riscos de acidentes. Imagine a situação na qual o funcionário deficiente auditivo e visual exerça suas atividades em ambiente com muita circulação de máquinas. O fato de ele não enxergar ou ouvir bem as sinalizações são fatores de riscos de acidentes.

Para prevenir essas situações de riscos de acidentes, é fundamental que nos exames admissionais ou periódicos previstos no PCMSO (Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional), sejam identificadas essas debilidades ou deficiências dos trabalhadores para que eles sejam direcionados para atividades adequadas às suas limitações e que não os exponham a situações de riscos de acidentes.

Se você não lembra o que é o PCMSO, clique aqui e leia o artigo sobre PCMSO .

O desajustamento emocional ou mental podem ser caracterizados por agressividade, distúrbio emocional, excitabilidade ou impulsividade, alcoolismo ou toxicomania, disritmia cerebral. Qualquer uma dessas situações são fatores de riscos de acidentes e precisam ser identificados ainda nos exames admissionais ou periódicos pertencentes ao PCMSO para direcionar o funcionário às atividades que diminuam o risco de acidentes.

Além dos fatores de riscos acima mencionados, há também situações em que o funcionário, por ação ou omissão, contraria um preceito de segurança efetivando o que chamamos de ato inseguro. No próximo tópico falaremos sobre o Ato Inseguro.

Riscos de Acidentes - Ato Inseguro

Riscos de acidentes Ato inseguro

O Ato Inseguro acontece quando o funcionário contraria um preceito de segurança. Pode ser por Ação ou até mesmo por Omissão.

Ato Inseguro por Ação: acontece quando a pessoa fez quando não deveria fazer, ou fez de maneira diferente do que deveria fazer;

Ato Inseguro por Omissão: acontece quando a pessoa deixa de fazer o que deveria ser feito.

Tanto desobediência às normas ou regras constantes de regulamentos formalmente adotados quanto não observância de práticas de segurança tacitamente aceitas caracterizam ato inseguro. Desta forma, para identificar o ato inseguro é importante responder à seguinte pergunta: nas mesmas circunstâncias, teria agido do mesmo modo uma pessoa prudente ou experiente?

Caso a resposta seja negativa, considera-se a prática como Ato Inseguro.

São exemplos de Atos Inseguros por Ação:

  • Usar equipamento de maneira imprópria;
  • Tornar Inoperante ou Ineficiente dispositivo de segurança;
  • Manusear objeto de maneira insegura;
  • Assumir posição ou postura inadequada;
  • Trabalhar ou operar em velocidade insegura;
  • Colocar ou misturar de maneira insegura;
  • Fazer brincadeiras ou exibição.

São exemplos de Atos Inseguros por Omissão:

  • Deixar de usar vestimenta segura;
  • Deixar de usar Equipamento de Proteção Individual (EPI) disponível;
  • Deixar de desligar equipamento em desuso;
  • Deixar de sinalizar áreas perigosas;
  • Deixar de aterrar equipamentos elétricos.

Em todas as situações acima descritas as ações ou omissões dos funcionários podem gerar acidentes de trabalho prejudiciais aos empegados e à empresa. Para controlar os Atos Inseguros é fundamental desenvolver a Cultura de Prevenção em toda empresa através de muitos treinamentos, práticas de DDS (Diálogo Diário de Segurança) e campanhas educativas.

Leia também: DDS - Muito mais que um Diálogo Diário de Segurança - Clique Aqui

Você deve ter percebido que há inúmeras situações de riscos de acidentes que devem ser previstos e controlados por profissionais de segurança do trabalho. Devido a essa complexidade faz-se necessário que o profissional de SST esteja sempre com sua percepção de risco apurada.

Para facilitar o trabalho de identificação de riscos pelos profissionais de segurança do trabalho, bem como, ajudá-los na melhoria da percepção de riscos, a aplicação da técnica de Checklist de Identificação de Riscos faz-se necessária.

Riscos de Acidentes - Qual a forma indicada para identificar os riscos de acidentes no ambiente de trabalho?

Se você é um veterano profissional de segurança, é possível que você tenha desenvolvido bem sua percepção de risco de tal forma que você não sinta dificuldades em identificá-lo no ambiente de trabalho.

Mas se você ainda não tem toda essa habilidade, é recomendável que você se utilize de um checklist de identificação de riscos que o auxiliará a visualizar os riscos de acidentes no ambiente de trabalho.

O Checklist ou Lista de Verificação é a ferramenta na qual é relacionado um conjunto de itens que deve ser verificado em campo. Essa lista auxilia o profissional de SMS a lembrar dos vários pontos importantes que devem ser checados.

Agora que você aprendeu mais sobre riscos de acidentes, que tal fazer o Levantamento de Perigos e Riscos de sua empresa? Para aprender sobre Levantamento de Perigos e Riscos acesse nosso artigo. Clique Aqui.

Se você gostou deste artigo e acha-o relevante, deixe seu comentário logo aqui embaixo em seguida compartilhe-o com seus amigos.

Grande Abraço e até o próximo artigo.

 

8 Comentários


    1. Oi Antônio, que bom que gostou!!
      Fique à vontade em nosso blog, lendo e participando dos demais artigos!! Grande abraço!!!

      Responder

  1. olá, parabéns pelo trabalho! Realmente gostei muito, gostaria de saber qual a bibliografia e/ou se há como me recomendar um livro que trate deste tema. Agradeço desde já!

    Responder

    1. Oi Caio, tudo bem?
      Não conheço muitas bibliografias. Assim como você, também tive dificuldades em encontrar informações e conhecimento na área. Os conhecimentos que tenho foram resultados de estudos da pós-graduação, normas regulamentadoras, normas técnicas, cursos realizados, pesquisa em internet. Uma coisa que me ajuda muito é a leitura da revista proteção. Você conhece? Eu tenho a assinatura e ela é muito boa! Aconselho-o a, quando possível, assiná-la.

      Especificamente sobre este artigo, ele é resultado de um estudo minucioso da Norma Técnica 14280. Se possível, reserve um tempo para estudá-la! Ela é muito importante!
      Espero ter ajudado!
      Grande Abraço

      Responder

  2. Olá! Achei o material super interessante mas fiquei com uma dúvida… qual você considera que seja a principal diferença entre os atos de ação por ação ou omissão? como posso identificar facilmente quando ocorreu um ou outro?

    Agradeço desde já e parabéns pelo material

    Responder

    1. Olá Taís, obrigado pelo elogio! Fico muito feliz!
      A principal diferença entre o ato inseguro por ação e ato inseguro por omissão está no “fazer” e no “deixar de fazer”, respectivamente.
      Se você faz uma ação contrária a um preceito de segurança, você comete um ato inseguro por ação; se você “deixa de fazer” um preceito de segurança, você comete um ato inseguro por omissão.

      Por exemplo: A NR 10 informa uma passo a passo que deve ser seguido para desenergização, a saber:
      a) seccionamento;
      b) impedimento de reenergização;
      c) constatação da ausência de tensão;
      d) instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos condutores dos circuitos;
      e) proteção dos elementos energizados existentes na zona controlada (Anexo II);
      f) instalação da sinalização de impedimento de reenergização.

      Vamos supor que você conheça todo este procedimento, mas por preguiça de ir buscar a sinalização de impedimento de reenergização, você decide por não colocar a sinalização ( COMETE UMA OMISSÃO). Caso outro empregado se aproxime, e por não ver nenhuma sinalização decida reenergizar o sistema e isto gere um acidente, pode-se dizer que você cometeu um ato inseguro por omissão, já que deixou de cumprir o procedimento de segurança.

      Espero ter ajudado! Grande abraço

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *